Trocando vaso de orquídea com pseudobulbos

Assine a Universidade Minhas Plantas (clique aqui)

Orquídea que anda dentro do vaso? Pois é, existem gêneros de orquídeas que crescem em direção à borda do vaso e, quando isso acontece, sua planta precisará de mais espaço. Neste vídeo, nossa jardineira Carol Costa mostra como fazer o transplante de gêneros de orquídea de crescimento simpodial.

Crescimento simpodial


A cada seis meses, as orquídeas que possuem pseudobulbos, criam novas brotações, quase em fila. Pseudobulbos são aqueles caules gordinhos, uma forma esperta que a planta arrumou pra armazenar água e nutrientes. Se plantar a orquídea direitinho, ela pode ficar até quatro anos no vaso, com espaço suficiente pra "caminhar" e crescer. Alguns exemplos de plantas de crescimento simpodial são as dos gêneros Cattleya, Laelia, Oncidium, Maxillaria e Dendrobium. Sua orquídea não tem pseudobulbo? Então, assista ao vídeo de transplante de orquídeas de crescimento monopodiais (tem link aqui).

Avô, pai e filho


Antes de fazer o transplante, molhe bem sua orquídea dois dias antes. Isso facilitará a remoção do substrato e deixará as raízes hidratadas. Aproveite pra separar a touceira e fazer algumas mudas. Separe as partes que estejam se desprendendo e totalmente secas. Mantenha sempre trios – o avô, o pai e o filho, como explica nossa louca das plantas no vídeo. Mesmo com a aparência de uma uva passa, os pseudobulbos mais antigos ainda fornecem nutrientes pros novos brotos. Remova todo o substrato velho das raízes e separe os trios.

Trocando de vaso


Separe um vaso, substrato pra orquídeas, musgo esfagno molhado com um pouco de Bokashi e, um pedaço de arame encapado – ele servirá de tutor pra manter a planta firme no vaso. Com um alicate, entorte o tutor como mostrado no vídeo, pra que o arame fique bem preso e apontado pra cima (enrolar a pontinha do arame evita acidentes!). Faça uma base com pedras pesadas no fundo do vaso, distribua um leito de substrato. Envolva as raízes com o esfagno molhado e, coloque a orquídea no vaso, com as "costas" coladas na borda. Lembra que essas orquídeas caminham enquanto crescem? Ela precisará de espaço pras novas gerações, por isso o bulbo mais antigo fica coladinho na borda do vaso.

Regas e adubação


Depois de transplantada no novo vaso, prenda a orquídea no tutor com um araminho flexível. Lema já bem conhecido dos alunos da Universidade Minhas Plantas: plantou, regou! Molhe o substrato generosamente, pra escorrer bem. Não é preciso adubar, já que um pouco de Bokashi foi colocado no esfagno. Depois que começar a despontar novos brotos, volte a adubar regularmente (Carol usa o Bokashi da Forth Jardim).

Inscreva-se na Universidade Minhas Plantas


Assine a Universidade Minhas Plantas (clique aqui)

Materiais e plantas mostrados no vídeo:
vaso de plástico
arame encapado
alicate universal
regador
musgo esfagno
orquídea Oncidium
orquídea Maxillaria
Forth Bokashi

Figurino:
Carol usa vestido Lenny Niemeyer

Assine a Universidade Minhas Plantas (clique aqui)

Minhas Plantas recomenda