página inicial / vídeos

os 7 erros mais comuns na jardinagem e como evitá-los

Errar é humano, mas quando o assunto é jardinagem, o erro pode ser fatal… para as plantas! Nossa jardineira Carol Costa também errou muito até descobrir os principais culpados do chamado “dedo podre”. Neste vídeo, nossa louca das plantas irá enumerar sete equívocos e enganos cometidos por jardineiros de primeira viagem e, às vezes, até de profissionais.

Erro 1: planta longe dos olhos


Plantas suspensas, ou então em locais de difícil acesso, acabam sofrendo sem o jardineiro ver. Ou é por falta de luz, ou é porque uma hora vai faltar água ou adubação. A planta até tenta avisar, sinalizando com folhas amareladas e murchas, mas se você não vê... A dica para não errar mais é usar a planta como decoração daquele cantinho da sala somente em dias de festa. Acabou o evento? Não esqueça de colocar a plantinha de volta no lugar que ela cresce feliz e radiante.

Erro 2: receita para rega


Planta não é bolo #prontofalei. É um ser vivo, e vai crescer. Além disso, o clima muda, tem dias de maior umidade, a distribuição das plantas dentro de casa, ar condicionado, tipo de substrato... são tantos fatores que mal dá para listá-los, quanto mais criar uma receitinha infalível para regar sua orquídea, suculenta ou samambaia. Então, para saber quando e como regar, use o bom e velho truque do "dedômetro". Encoste a ponta do indicador no substrato e observe: saiu sujo de terra? Não precisa regar. O dedo tá limpinho? É hora de dar água para sua planta.

Erro 3: enraizamento na água


Sim, existem espécies aquáticas, mas a grande maioria das plantas precisam de substrato. A técnica bem antiga (alô, vovó!) de colocar plantas em um vaso apenas com água funciona com algumas espécies e até ajuda no enraizamento – com caroços de abacate, coroas de abacaxis, ou então, com estacas. Mas não mantenha as plantas desta forma por longos períodos. Se você notar que as folhas estão ficando feias, amareladas, murchando... é hora de levar a “paciente” para seu habitat natural (substrato) antes que ela fique doente e o pequeno engano se torne um baita erro.

Erro 4: paisagismo de fotografia


A gente olha fotos de revista, livros de decoração, Instagram, Pinterest, e se enche de empolgação, querendo colocar planta em uma estante super alta, no criado-mudo do quarto de hóspede, em cima do fogão... Para compor um ambiente e tirar algumas fotos, vale, mas se a intenção é cultivar espécies em um ambiente sem sol, ou com condições que não são perfeitas para a espécie, manter as plantas não é a melhor das ideias. Use fotos para se inspirar, mas pesquise antes as condições que a espécie escolhida precisa para crescer verde e forte. Aliás, aqui, na seção plantas, tem várias fichas de plantas, é só usar a busca do site!

Erro 5: esquecer que plantas crescem


Mudinhas são fofas, praticamente a versão botânica de filhotinhos – e todo mundo ama filhotes. Mas, os bebês dos animais crescem, e as plantas, como seres vivos, também. Dá para manter uma costela-de-adão por um período em um vasinho, principalmente se ela ainda for uma mudinha. Mas, não se engane: a Monstera deliciosa não tem este nome cientifico por acaso; em breve, ela se transforma num monstro, cresce mais do que qualquer vaso. A regra vale para bambus-mossôs, mudas de árvores frutíferas, mandacarus, etc. Tem dúvida? Pesquise sobre a planta, escolha versões "mini" ou "micro" das plantas (quando houver, claro), ou, melhor ainda, procure espécies que são parecidas, mas sempre leve em consideração o ambiente onde elas irão crescer. Ao invés da costela-de-adão, escolha a mini-costela-de-adão (Rhaphidophora tetrasperma), que tem uma folhagem parecida, mas é outra planta, e fica do tamanho certo para se ter em espaços internos. Se você morar num apartamento, um chiuaua é uma melhor opção do que um dogue alemão; com as plantas, faça o mesmo.

Erro 6: suculentas no banheiro


Estas plantas gordinhas, são como cactos, amam o sol, e normalmente, elas vêm de um lugar seco, como um deserto. E, sol forte e ambiente seco duas coisas que não se vê em banheiros ou lavabos. Para estes ambientes, prefira usar plantas de sombra, essas sim, costumam gostar de ambientes menos ensolarados (mas ainda assim, com luz indireta) e umidade. Mas, se você AMA as gordinhas, vale a pena conhecer TUDO sobre suculentas, e o Curso Online de Arranjos com Suculentas tem informações que vão desde a identificação das plantas, nomes científicos, cultivo, reprodução, até a comercialização dos incríveis arranjos que você aprenderá a produzir.

Erro 7: adubar, largar e reclamar


Acontece muito com hortas no início: a gente enche o canteiro de atenção e de adubo, e depois, imagina que a natureza se vira. Plantas são seres independentes, mas não conseguem gerenciar um estoque de fertilizantes. É preciso adubar aos poucos, mas sempre. O melhor mesmo é uma adubação regrada de acordo com o ciclo da planta, e em doses diárias. Aqui, no site, tem uma porção de receitas para adubação. Restos de frutas, saquinhos de chá, borra de café, cascas de ovos...

Se você evitar estes sete clássicos causadores de problemas, suas plantas vão crescer lindas, verdes e saudáveis. Pode confiar, não tem erro!

Link para curso de suculentas: Curso Online de Arranjos com Suculentas

Palhinhas protetoras (mulching)
Benefícios de vasos e canteiros protegidos com palhas
Aprenda a usar palhinhas
Protega a planta do sol forte com palhas

Dicas de regas
Rega de emergência para salvar plantas murchas
Borrifador ou esguicho? Como molhar suas plantas
Como regar vaso de orquídeas

Colar: Michael Michaud
Instagram: @michaelmichaudjewellery