Jardim para bruxas reais e fadas inventadas

© Carol Costa/Minhas Plantas

Pelo olhar da infância, mesmo o menor dos canteiros esconde mistérios e seres mágicos, como grilos, joaninhas e mariposas

Por Carol Costa

Lembro do tanque de pedra, do cheiro de local úmido e sombreado, do limo escorregadio e do musgo fofo e macio. Lembro da água parada, um espelho perfeito do céu, ondulada raramente pelo movimento daqueles morrinhos de pedra que, vez ou outra, esticavam quatro patas para fora da carapaça e revelavam ser tartarugas e não seixos. Lembro de pegar uma delas e segurar tão de perto que, se fecho os olhos, quase enxergo o desenho único que cada tartaruga tem em seu casco. Até dos lírios-da-paz eu me lembro, um tufo ralo, plantado na borda do tanque.

Eu tinha três anos e provavelmente já era míope, gostava de "ver com as mãos". O caracol era uma pedrinha que se movia, deixando um fio cintilante para trás, como João e Maria jogando migalhas na floresta. Será que o caracol não sabia o caminho de volta e precisava desse rastro para encontrar seus pais? Mas, ué, se ele carregava a casinha nas costas, os pais dele moravam ali, não moravam? Ou será que mesmo o menor do caracoizinhos, o mais bebê de todos os irmãos, já era mocinho para morar numa casinha SO ZI NHO?

O canteiro sem graça da minha infância era um universo cheio de mistérios. Eu queria descobrir o que fazia os trevos se fecharem quando escurecia — talvez a mãe deles chamasse de algum lugar secreto e eu não a ouvisse. Abaixava a cabeça até a orelha encostar na terra e ficava escutando, naquele silêncio solene de criança prestes a fazer arte. Não conseguia ouvir ninguém chamando os trevos para irem tomar banho que o jantar já estava na mesa e onde já se viu ainda não ter feito a lição de casa. Fechava os olhos para escutar mais longe e seria capaz de jurar que ouvia as raízes das plantas crescendo.

Mariposa é bruxa?


Nunca entendi por que as pessoas gostavam tanto de fadas, que não existiam, e chamavam de "bruxas" as grandes mariposas que apareciam dentro de casa, justo elas, que eu podia ver de verdade, ali, enormes, as asas aveludadas descansando em cima da soleira da porta. Vai ver os adultos se confundiam e aquilo era um tipo de fada, com asas grandes, corpinho esguio e poderes mágicos. "Ahhhhh, não acredito que esse bicho entrou outra vez, vou chamar seu pai pra tirar isso daqui!", berrava minha mãe. E lá se ia a minha chance de descobrir se as fadas existiam...

É por isso que eu gostava tanto do pátio do prédio. Não tinha mãe dando escândalo por causa de nenhum inseto. Eu podia deixar as formigas investigarem o meu dedo gigante, um bizarro "tronco" subitamente colocado em seu caminho. Gostava de ver como elas pareciam se falar com as antenas. "Ei, isso não estava aqui antes, estava?" "Atenção, fila, vamos ter de desviar!" E elas davam a volta pelo meu mindinho, uma atrás da outra, até descobrirem que ele mudou de lugar e agora atravancava outro trecho do caminho.

Mimosa, dormideira ou dorme-dorme (Mimosa pudica)


No pátio, tinha o canteiro das dormideiras, as delicadas forrações que brotavam como matinhos por cima da hera e gostavam de carinho. Lembro de passar o dedo nelas e ver, surpresa, que os folíolos se fechavam como pele arrepiada. Eu me agachava ainda mais e prendia a respiração: será que se ficasse ali, paradinha, as dormideiras achariam que eu tinha ido embora e se abririam de novo?

Jardim é também lugar de criança brincar


Nada era mais gostoso do que brincar no pátio do prédio. Nem as bonecas, que minha irmã tanto amava, valiam o desperdício de uma tarde de por e tirar roupinhas — e se Tathi insistia muito, as Barbies desciam todas para o canteiro de azaleias para um delicioso chá com bolinhos de terra. Enquanto minha irmã caçula brincava de pentear os cabelos de nylon das mocinhas de plástico, meu negócio era enfiar os pôneis no meio da grama-preta e fazê-los pastar entre as azedinhas. Ou montar uma casinha de Lego embaixo das palmeiras, ali onde a terra ficava cheia de coquinhos e meia dúzia de tiriricas insistiam em surgir.

Hoje, com duas sobrinhas pequenas, fico me perguntando se elas têm a cota suficiente de horas de sol, de caçar grilos e de saladinha de mato, essa imersão tão necessária na natureza selvagem. Será que a Patrulha Canina passeia no meio das ixoras? Ou o chá da Pepa Pig ocorre na floresta de fitônias cor-de-rosa? Torço para que o próximo combate dos Jovens Titãs seja bem longe da TV e do tablet, no canteiro mais perto — nem que o cenário seja do tamanho de um vaso de suculentas.

postado em 12/12/2018 - Leia mais
© Patricia Klemtz

Início da Primavera 2019

A primavera de 2019 chegou nesta segunda-feira, dia 23 de setembro, às 4h50, e vai até o dia 22 de dezembro, quando dá espaço para o verão. A estação mais florida do ano é aguardada por todos nós, e como não poderia ser, é a época do ano mais querida … (+)
Leia mais
© Juliana Valentini/De Verde Casa

Comece a trabalhar hoje mesmo com plantas

Nossa jardineira Carol Costa dá uma dica de ouro para quem quer começar ainda hoje a trabalhar com plantas – sim, é totalmente possível e, ela tem conhecimento no assunto. Imagine o quanto passou uma jornalista experiente e com 20 anos de profissão que decide trilhar uma nova carreira no … (+)
Leia mais
© Carol Costa/Minhas Plantas

Livro Cactos e outras Suculentas para Decoração

Quem é fã de cactos e suculentas sabe o quando é difícil encontrar informações sobre essas plantinhas queridas. Classificar a coleção de "gordinhas" e identificar as espécies com exatidão é uma tarefa árdua. Pesquisar na internet acaba trazendo mais dúvidas do que soluções. Mas, respire aliviado, porque o tempo de … (+)
Leia mais
© Carol Costa/Minhas Plantas

Por um mundo mais verde e menos cinza

Nossa piracicabana Carol Costa conta um pouco sobre como mudou de área, trocando 15 anos de vida de escritório pela melhor carreira da sua vida: jardineira. No texto abaixo, publicado originalmente no Instagram, a ex-jornalista mostra que escolher o próprio caminho é possível, e que vale a pena investir e … (+)
Leia mais
© Carol Costa/Minhas Plantas

O básico sobre orquídeas Phalaenopsis

Orquídeas são uma das flores mais utilizadas para presentear, e no Dia das Mães não é diferente. Depois de ganhar a planta, vem a pergunta que muitas pessoas fazem: e agora, como cuidar desta bela flor? Nossa jardineira Carol Costa ensina os cuidados básicos para as mamães felizardas e futuras … (+)
Leia mais
© Carol Costa/Minhas Plantas

Trabalhar com plantas é fácil, acessível, e pode ser sua próxima carreira

O verde acolhe todos. Plantar em um jardim ou vaso é algo democrático, acessível e simples, mesmo para quem é jardineiros de primeira viagem. Nossa jardineira Carol Costa conta neste texto, como as plantas conseguem reunir pessoas de várias áreas. Profissionais como jardineiros, paisagistas, produtores de espécies ornamentais e alimentícias … (+)
Leia mais
© Carol Costa/Minhas Plantas

Como saber se uma planta é tóxica ou segura para seu pet

Existe uma fonte segura com uma lista de plantas que são tóxicas para animais? Nossa jardineira Carol Costa costuma responder muitas perguntas sobre essa dúvida comum de amantes de jardinagem e também são tutores de pets. Antes de ficar apavorado com notícias da internet, principalmente casos isolados, e sair divulgando … (+)
Leia mais
© Alexandre Pavan/Minhas Plantas

Tenha mais plantas e use menos desinfetantes

O verde domesticado A jardinagem ganha cada vez mais espaço em casas, escritórios e apartamentos – mas nunca estivemos tão distantes do quintal de terra dos nossos avós Por Carol Costa Uma criança precisa de menos de 20 minutos fazendo bolinhos de terra ou correndo descalça no gramado para ir … (+)
Leia mais
© Carol Costa/Minhas Plantas

Como ter uma horta dentro de casa mesmo sem sol

Este é o canto mais escuro da minha cozinha, distante 3,5 metros da janela face Sul, aquela que recebe só claridade, nunca sol. Não poderia ser um lugar mais impossível pra se ter uma horta e, no entanto, aqui estão minhas verdinhas com dez dias de vida, crescendo animadas nesse … (+)
Leia mais
© Carol Costa/Minhas Plantas

A Louca das Plantas - detalhes do episódio 8

Nossa jardineira Carol Costa fez no episódio 8 do programa A Louca das Plantas, no GNT, um jardim mediterrâneo em uma cobertura! Os desafios era acabar com o vento, o que impedia o cultivo de qualquer planta. Nossa louca piracicabana também queria criar não só um jardim, mas um espaço … (+)
Leia mais
© Carol Costa/Minhas Plantas

A Louca das Plantas - detalhes do episódio 7 (selva urbana)

Nossa jardineira Carol Costa fez no episódio 7 do programa A Louca das Plantas, no GNT, uma verdadeira selva urbana. Uma das salas do apartamento da Fernanda e do Andrés tinha uma janela enorme, muita claridade, uma mesa com quatro lugares, e, alguns vasinhos com as plantas bem tristes, já … (+)
Leia mais
© Carol Costa/Minhas Plantas

A Louca das Plantas - detalhes do episódio 6

Um apartamento pode ter muitas plantas, só é preciso escolher as espécies corretas, e é exatamente isso que nossa jardineira Carol Costa fez no episódio 5 do programa A Louca das Plantas no GNT. Olhando a disposição das janelas, nossa louca piracicabana entendeu que a sala recebe uma quantidade de … (+)
Leia mais