Aprenda a linguagem das plantas

© Bruno Geraldi

Plantês para iniciantes


Treine sua sensibilidade com este exercício simples, feito um minuto por dia, e veja como falar a língua das plantas ficará super fácil
Por Carol Costa

As pupilas estavam tão dilatadas que mal se via o amarelo nos olhos da gata. O rabo balançava freneticamente enquanto ela mirava minhas mãos. Eu caminhava feliz e cambaleante para minha primeira lição de Gatês: nunca mexa com uma gata com filhotes. Especialmente se você tiver dois anos e for uma completa desconhecida para o bicho, como era meu caso. Minha mãe percebeu a tragédia que se anunciava assim que ouviu o bufado típico da gata brava, um aviso que eu só aprendi a reconhecer anos depois. Dona Bia saltou em minha direção, mas já era tarde. Assim que eu tentei tocar os gatinhos aninhados na caixa de papelão, a mãe deles me deu uma violenta patada no braço. Guardo a cicatriz do arranhão até hoje, um atestado de que a lição foi aprendida.

Ao longo do nosso convívio com outros seres vivos, aprendemos a falar muitos idiomas. Qualquer pessoa é capaz de reconhecer um cachorro feliz, com seu rabo balançando como um espanador tresloucado, os dentes à mostra num esgar tão loquaz quanto um sorriso. Quem foi criado no campo também fala outros dialetos. Um cavalo com as orelhas bem baixas está prestes a morder ou dar um coice. Um coelho em pé sobre as patas traseiras, com o nariz mexendo e as orelhas eretas está buscando comida.

Aprenda a linguagem das plantas e converse com elas


Falar Gatês, Cachorrês ou mesmo Cavalês pode parecer mais fácil que Plantês, mas não é. Todo o alfabeto vegetal está à vista de quem tem olhos para observar antes de agir, contemplar em vez de dominar, conhecer e não julgar. Entender o que uma planta fala não é dom especial nem talento para poucos, não. Essa é uma sensibilidade fácil de treinar, quer ver só?

Escolha um lugar verdejante que você possa observar todos os dias por um minuto, ao longo de uma semana. Pode ser seu quintal, a praça onde você espera o ônibus, o pátio florido da escolinha do seu filho, o jardim da empresa em que você trabalha. Pode até ser um único vaso de planta que você tenha na sua mesa. Todos os dias, no mesmo horário, pare um minuto para observar esse cantinho verde. Olhe as folhas, seu tamanho, formato, textura e colorido. Repare em como o cabinho une a folha à planta, na consistência que o vegetal tem, se parece áspero, seco, macio, aquoso. Tente não falar, tocar ou interagir com seu objeto de estudo. Só observe, imóvel, por sessenta segundos e nada mais.

Observe e escute suas plantas


Depois de alguns dias, o invisível começará a saltar aos olhos. Você talvez repare que a folha tem uns pelinhos, que o verso possui um tom diferente da frente, que um botão de flor parece estar surgindo do meio da touceira. É possível que os serezinhos minúsculos que habitam esse vaso também se manifestem. Tatuzinhos podem aparecer e caminhar sobre a terra, uma mosquinha fugaz talvez risque o ar, quem sabe até um passarinho ouse surgir. Se tiver seguido o exercício direitinho, em uma semana você terá se iniciado em Plantês e estará uma lição à frente de quem acha que planta não se comunica com a gente.

Quando sua violeta murchar as folhas, na próxima vez em que a roseira se negar a florir, assim que você pousar os olhos naquela Phalaenopsis sofrida, esquecida no parapeito da área de serviço onde nunca bate sol, vai ser mais fácil entender a sinalização da planta. Porque ela não é birrenta (ufa, ainda bem!) e nos avisa do que gosta assim, molezinha. É só observar com atenção. Vem cá pra aula avançada de Plantês.

Como entender as plantas e descobrir onde plantá-las


Folhas gordas e carnosas indicam que aquele serzinho vem de um lugar seco. Se forem duras e envernizadas, como as do chapéu-de-praia ou do Ficus lyrata, mostram que vivem no sol e no vento. Se têm um jeitão de pena, com as folhas parecendo pássaros ao vento, é certeza de que suportam de brisas a vendavais — taí o grupo das palmeiras que não me deixa mentir. Se as folhas são amplas e fininhas, como as da bananeira, são moças de sombra e não ligam para desidratação, porque folhona exibida assim é luxo que só pode ser ostentado por planta de local muito úmido. Folhagens brancas refletem melhor a luz e não superaquecem, como acontece com a cinerária e a chuva-de-prata. Flores vermelhas, amarelas e alaranjadas atraem pássaros, enquanto as azuis e violetas são as preferidas das mamangavas. Flores grandes, brancas e muito perfumadas foram feitas sob medida para polinizadores ceguetas, mas de faro aguçado, caso de morcegos e mariposas (é por isso que o cheiro da murta e da gardênia fica mais forte à noite).

Tá vendo como são legais esses seres clorofilados? Eles não PRECISAM da gente, mas até que dão uma mão e nos ensinam uns truques se quisermos cuidar melhor deles. Plantas avisam até quando não estão bem num lugar. Fica enrugadas, enrolam as folhas em canudinhos, tombam a folhagem transformando os ramos em uns pescocinhos molengas e deprimidos. Caem as flores, os brotos nascem pequenos, as folhas velhas se cobrem de vermelho, amarelo, roxo, marrom. Aparecem manchas, pintinhas, auréolas queimadas, pragas mil. Tudo parece dizer "não tô feliz!".

Até o mais prosaico matinho do seu quintal fala Plantês. Tem samambaia demais nascendo na sua terra? O solo está ácido. Aparece trevo em abundância? Coloca mais cálcio na adubação, um pouquinho de farinha de osso, umas cascas de ovos trituradas no liquidificador e, voilá!, o trevo some.

Começa hoje a exercitar esse jardineiro atento que vive aí dentro de você. É divertido e você nunca mais vai perder uma planta sem saber o motivo. Bom, a menos que você fique esperando o cacto arranhar sua mão numa tentativa de evitar que você coloque mais água no vaso...

Publicado na Revista Natureza – 361

postado em 25/10/2018 - Leia mais
©

Palhinhas protetoras

Quando pensamos em cultivar plantas, imaginamos que basta um pouco de terra ou substrato e, de vez em quando, adubo e água. Essa regra parece que é suficiente, seja para jardim, canteiro de horta ou apenas um vaso dentro de casa. Mas, entre o solo e as verdinhas, precisa ser … (+)
Leia mais
©

Jardim vertical

Com os espaços cada vez menores em casas e apartamentos, a jardinagem precisou se adaptar e… escalar paredes! Jardins verticais, painéis verdes, quadros vivos, os nomes variam, mas a técnica é a mesma: trabalhar vasos presos na vertical, bem pertinhos uns dos outros, com ou sem irrigação automatizada, liberando espaço … (+)
Leia mais
© Patricia Klemtz

Venha para o lado Verde da Força

Plantas morrem, por mais que cuidemos. Vasos se quebram. Sementes, às vezes, não germinam. O dedo-verde, de vez em quando, vira dedo-podre. Erros fazem parte da vida de qualquer jardineiro, seja o profissional, o hobbysta ou praquele dono de um único vaso de planta. ossa jardineira Carol Costa conta como … (+)
Leia mais
© Patricia Klemtz

Início da Primavera 2019

A primavera de 2019 chegou nesta segunda-feira, dia 23 de setembro, às 4h50, e vai até o dia 22 de dezembro, quando dá espaço para o verão. A estação mais florida do ano é aguardada por todos nós, e como não poderia ser, é a época do ano mais querida … (+)
Leia mais
© Juliana Valentini/De Verde Casa

Comece a trabalhar hoje mesmo com plantas

Nossa jardineira Carol Costa dá uma dica de ouro para quem quer começar ainda hoje a trabalhar com plantas – sim, é totalmente possível e, ela tem conhecimento no assunto. Imagine o quanto passou uma jornalista experiente e com 20 anos de profissão que decide trilhar uma nova carreira no … (+)
Leia mais
© Carol Costa/Minhas Plantas

Livro Cactos e outras Suculentas para Decoração

Quem é fã de cactos e suculentas sabe o quando é difícil encontrar informações sobre essas plantinhas queridas. Classificar a coleção de "gordinhas" e identificar as espécies com exatidão é uma tarefa árdua. Pesquisar na internet acaba trazendo mais dúvidas do que soluções. Mas, respire aliviado, porque o tempo de … (+)
Leia mais
© Carol Costa/Minhas Plantas

Por um mundo mais verde e menos cinza

Nossa piracicabana Carol Costa conta um pouco sobre como mudou de área, trocando 15 anos de vida de escritório pela melhor carreira da sua vida: jardineira. No texto abaixo, publicado originalmente no Instagram, a ex-jornalista mostra que escolher o próprio caminho é possível, e que vale a pena investir e … (+)
Leia mais
© Carol Costa/Minhas Plantas

O básico sobre orquídeas Phalaenopsis

Orquídeas são uma das flores mais utilizadas para presentear, e no Dia das Mães não é diferente. Depois de ganhar a planta, vem a pergunta que muitas pessoas fazem: e agora, como cuidar desta bela flor? Nossa jardineira Carol Costa ensina os cuidados básicos para as mamães felizardas e futuras … (+)
Leia mais
© Carol Costa/Minhas Plantas

Trabalhar com plantas é fácil, acessível, e pode ser sua próxima carreira

O verde acolhe todos. Plantar em um jardim ou vaso é algo democrático, acessível e simples, mesmo para quem é jardineiros de primeira viagem. Nossa jardineira Carol Costa conta neste texto, como as plantas conseguem reunir pessoas de várias áreas. Profissionais como jardineiros, paisagistas, produtores de espécies ornamentais e alimentícias … (+)
Leia mais
© Carol Costa/Minhas Plantas

Como saber se uma planta é tóxica ou segura para seu pet

Existe uma fonte segura com uma lista de plantas que são tóxicas para animais? Nossa jardineira Carol Costa costuma responder muitas perguntas sobre essa dúvida comum de amantes de jardinagem e também são tutores de pets. Antes de ficar apavorado com notícias da internet, principalmente casos isolados, e sair divulgando … (+)
Leia mais
© Alexandre Pavan/Minhas Plantas

Tenha mais plantas e use menos desinfetantes

O verde domesticado A jardinagem ganha cada vez mais espaço em casas, escritórios e apartamentos – mas nunca estivemos tão distantes do quintal de terra dos nossos avós Por Carol Costa Uma criança precisa de menos de 20 minutos fazendo bolinhos de terra ou correndo descalça no gramado para ir … (+)
Leia mais
© Carol Costa/Minhas Plantas

Como ter uma horta dentro de casa mesmo sem sol

Este é o canto mais escuro da minha cozinha, distante 3,5 metros da janela face Sul, aquela que recebe só claridade, nunca sol. Não poderia ser um lugar mais impossível pra se ter uma horta e, no entanto, aqui estão minhas verdinhas com dez dias de vida, crescendo animadas nesse … (+)
Leia mais
© Carol Costa/Minhas Plantas

A Louca das Plantas - detalhes do episódio 8

Nossa jardineira Carol Costa fez no episódio 8 do programa A Louca das Plantas, no GNT, um jardim mediterrâneo em uma cobertura! Os desafios era acabar com o vento, o que impedia o cultivo de qualquer planta. Nossa louca piracicabana também queria criar não só um jardim, mas um espaço … (+)
Leia mais
© Carol Costa/Minhas Plantas

A Louca das Plantas - detalhes do episódio 7 (selva urbana)

Nossa jardineira Carol Costa fez no episódio 7 do programa A Louca das Plantas, no GNT, uma verdadeira selva urbana. Uma das salas do apartamento da Fernanda e do Andrés tinha uma janela enorme, muita claridade, uma mesa com quatro lugares, e, alguns vasinhos com as plantas bem tristes, já … (+)
Leia mais