página inicial / blogs / Carol Costa

A vez das orquídeas terrestres

© Carol Costa/Minhas Plantas
Orquídeas terrestres passaram anos como cidadãs de segunda classe, longe dos mimos destinados a >Cattleyas, Laelias e tantas outras epífitas "nobres". Pois se prepare para uma virada nessa situação. Com a escassez de água nos anos anteriores, e uma busca cada vez maior por jardins mais baratos e fáceis de manter, as orquídeas terrestres despontam como queridinhas de paisagistas e ganham destaque em projetos badalados, a exemplo do grande uso de Spathoglottis unguiculata que se viu nas últimas edições de Casa Cor, por exemplo.

A tendência de usar orquídeas terrestres vai muito além da já "arroz de festa" Arundina bambusifolia, representante máxima da categoria nos últimos quinze anos. Grandes produtores e viveiristas têm investido em espécies e variedades terrestres que, antes, ficavam restritas a meia dúzia de vasos esquecidos num cantinho dos orquidários. É o caso, por exemplo, de Van Noije e R. Acosta, dois gigantes de plantas ornamentais que recentemente incorporaram orquídeas à produção.

Localizado em Holambra, R. Acosta é especializado em marantas e calatéias e, há 15 anos, vem trabalhando com Ludisia discolor, conhecida no exterior com o gracioso nome de orquídea-pipoca. A aposta nessa orquídea terrestre deu tão certo que eles investiram no crescente mercado de flores de corte e agora também trabalham com Ludisia vendidas em maços com 8 a 9 hastes.

Caminho semelhante percorreu Van Noije, maior produtor de crótons do Brasil. Quem visita as estufas de produção vai encontrar, em meio ao salpicado amarelo, vermelho e vermelho característico do croton, grandes canteiros com Epidendrum e Spathoglottis. Em breve, será cada vez mais comum encontrar uma Spathoglottis "Peach", de flores amarelas, ou Epidendruns "Fiesta", "Peach Glow", "Super Red" e "Red Glow", de folhagem super compacta, muito diferentes daqueles cultivados a sol pleno. Há ainda duas linhas com orquídeas de corte, uma com opções de Epidendrum "Carib", em hastes mais longas, e outra com Phaius thankerville, outra terrestre que engrossa a tendência.

Adaptando as orquídeas terrestres ao seu jardim


O aumento da oferta de orquídeas terrestres vem acompanhado de um desafio ao colecionador iniciante. É que a maioria das espécies aqui citadas são todas de sol pleno e cultivo bastante rústico – exatamente o oposto de como a planta vem sendo tratada pelo produtor. Para padronizar a produção e conseguir o porte compacto do Epidendrum, por exemplo, a planta é cultivada em telado, num ambiente de luz difusa e de rega e adubação diárias. É por isso que muita gente pode estranhar que uma orquídea-grapete comprada no supermercado, por exemplo, se queixe de receber mesmo um sol fraquinho nas folhas. Para evitar queimaduras e até a morte das orquídeas, é preciso submeter a planta a um processo chamado rustificação – aos poucos, ir aumentando a insolação até que uma orquídea de sol pleno tenha novamente se adaptado à vida "dura" e não mais aos paparicos da estufa.


Conheça mais orquídeas terrestres



Arundina bambusifolia


Conhecida como orquídea-bambu. Originária do Sudeste da Ásia, passa de 2 metros de altura, com pseudobulbos semelhantes a um pé de milho. Floresce quase o ano todo em sol pleno tendo como substrato terra comum de jardim, mantida úmida e bem adubada. Produz muitos keikis e precisa de replantio para não ficar rala por baixo.

Cymbidium sp


O gênero tem quase 50 espécies registradas e mais de 10 mil híbridos. Muitos Cymbidium são capazes de crescer tanto em substrato de epífitas quanto numa mistura de terra vegetal, areia e composto orgânico. Pode crescer a pleno sol desde que passe pelo processo de rustificação.

Epidendrum sp


Por sua origem tropical – muitas espécies são nativas do Brasil, Colômbia e Costa –, gosta de clima quente e úmido, com temperaturas que não desçam a menos de 10ºC. É planta rústica, de flores muito duráveis. Cresce tanto em substrato para epífitas quanto em canteiros preparados com terra, composto e areia.

Ludisia discolor


É uma das orquídeas de folhas mais exuberantes que existem: na Malásia, enfeita ambiente internos mesmo quando está sem flor. As folhas são aveludadas, de um roxo escuro coberto de veias vermelhas, contrastando com as flores brancas. Cultive em terra adubada, mas sempre longe do sol forte.

Neobenthamia gracilis


Nativa da África, é famosa por suas inflorescência brancas em forma de guarda-chuva, com flores pequeninas de cabelo salpicado de vermelho. Pode se desenvolver em substrato para plantas terrestres desde que não falte umidade nem vente muito. Adora sol, mas algumas mudas precisam se reaclimatar.

Renanthera coccinea


Quando é plantada em ambiente ensolarado, a Rexanthera intensifica seu vermelho vivo e produz hastes mais longas do que quando cultivada só na claridade. De cultivo semelhante ao do Epidendrum, sa florada pode durar vários meses, motivo por que essa orquídea vem fazendo sucesso como flor de corte.

Spathoglottis unguiculata


Chamada no exterior de orquídea-grapete em alusão à cor e ao perfume de uva que suas flores emanam, a Spathoglottis tem porte grande, folhas plissadas e muita energia, produzindo várias rotações quando tem espaço e solo leve, misto de terra vegetal e areia. Aprecia o sol da manhã, mais suave do que o da tarde.

Cresce procura por orquídeas em arranjos florais


Hoteis, pousadas, empresas, clínicas estéticas, consultórios médicos... Com o aumento da demanda por arranjos florais, o mercado de flores de corte vem recorrendo às orquídeas para oferecer um leque maior de produtos premium. Se Phalaenopsis, Cymbidium e Vanda já tinham ganho até os corações das noivas mais neuróticas, agora é a vez de outros gêneros de orquidáceas virarem febre. Ludisias e Epidendrums estão entre as flores mais pedidas: no primeiro caso, pela altíssima durabilidade e abertura sequencial das flores, no segundo, graças ao colorido das flores. Para os produtores, a aposta na dobradinha orquídea plantada-flor de corte é interessante porque minimiza eventuais perdas e dá sobrevida a plantas que estão com a folhagem feia.
postado em 31/10/2017 - Leia mais
© Carol Costa/Minhas Plantas

Como evitar abelhas no bebedouro do passarinho

– Ele me ignora! – Calma, minha filha, também não é assim. – Me sinto rejeitada. Ele nem toca na minha comida… Começou assim minha sessão terapêutica com o seu Daugas Friech. Por telefone, ele me consolava. – Ele é assim mesmo, gosta de coisas espalhafatosas. – Mais kitsch que o bebedouro que eu comprei ... (+)
Leia mais
© Carol Costa/Minhas Plantas

Tomate-cereja pega mais fácil que mato

Se você tem um cantinho ensolarado em casa, que tal cultivar tomates? A variedade cereja cresce rápido e é uma ótima opção para quem está dando os primeiros passos no ramo das hortas caseiras. Escolha sua bandejinha preferida no supermercado e, na hora de preparar a salada, tire as sementes ... (+)
Leia mais
© Divulgação

Por que é difícil ver vagalume nas capitais?

Procurar cigarra em tronco de árvore, colecionar casulo vazio de borboleta, fazer lanterna de vaga-lumes... só mesmo quem foi criado em pequenas cidades do interior é que ainda sabe o que são esses passatempos. Com a poluição, o uso indiscriminado de agrotóxicos e a cobertura vegetal cada vez mais escassa ... (+)
Leia mais
© Carol Costa/Minhas Plantas

O incrível jardim que brota do cimento

Tiradentes é uma das duas únicas cidades lentas do Brasil – a outra fica no Sul. Aqui, uma slow city, pratica-se o slow food e o slow service. Aliás, tudo é slow: o sol aparece, mas demoooora, a comida chega, mas cuuuusta, e o dedinho de prosa, então, vixemaria, não acaba ... (+)
Leia mais
© Alexandre Pavan/Minhas Plantas

Como a natureza lida com nossos rastros

Apocalipse. Fim dos tempos. Revolta da natureza. Tenho ouvido muito as pessoas comentarem sobre a maneira violenta como o planeta revida às agressões que vem sofrendo há milhões de anos. Os culpados somos nós: do rapaz que joga latinha pela janela do carro à criança que escova os dentes com ... (+)
Leia mais
© Carol Costa/Minhas Plantas

Lagarto, o melhor inseticida para sítios

– Com tanto espaço, por que eles têm que se esconder aqui? Essa é a pergunta que dona Fátima fazia todas as manhãs, assim que acabava de lavar a varanda de sua chácara. Balde e vassoura em punho, ela olhava desanimada para o chão, onde a água fazia uma poça perto ... (+)
Leia mais
© Juliana Valentini/De Verde Casa

Por que você deveria rezar para choverem sapos

Eu não desejo que nenhuma praga bíblica irrompa dos céus nem que comecem a chover gafanhotos, mas se aparecessem mais sapos nas nossas hortas a gente poderia aposentar os inseticidas. Os animais de respiração cutânea costumam ser bem sensíveis à poluição e aos agrotóxicos – você também seria se respirasse pela ... (+)
Leia mais
© Carol Costa/Minhas Plantas

Você registra quando suas orquídeas dão flor?

– Não gostei desse mel novo. – Por que? – É muito líquido. – Mudaram o estado físico do mel e não me avisaram? – Rá-rá, que marido engraçadinho eu tenho. Não sabe que eu gosto de mel empedrado? – Abre uma planilha no Google Docs. Bota lá: “Mel”. Aí, você pode etiquetar os vidros que ... (+)
Leia mais
© Carol Costa/Minhas Plantas

Gangue de formigas assassinas ataca jardineira

Enfim saiu o resultado do teste de alergia. Estava curiosa para descobrir o que tinha me obrigado a passar uma semana de molho, inchada e coberta por pintinhas vermelhas que coçavam intensamente. Bem, descobri. Apesar de não ter comido nenhum ravioli de formiga ao sugo ou uma torta campestre de ... (+)
Leia mais
© Carol Costa/Minhas Plantas

Como NÃO cultivar tomates num apartamento

Adoro uma roça. Tenho palpitações cada vez que vejo uma horta e, se tiver um galinheiro por perto, é capaz de eu botar um ovo de alegria. Em 2001, quando ganhei meu primeiro naco de varanda, minha fazendeira interna despertou. Plantei morangos, pitanga, amora, jabuticaba, vários tipos de temperos. E ... (+)
Leia mais
© Carol Costa/Minhas Plantas

Seu namoro é ecológico o bastante?

Faz 12 anos do nosso primeiro amo você. De lá para cá, essa frase se tornou quase diária, mas nunca perdeu a capacidade de transformar dias chuvosos em sol na praia, tensão em aconchego, choro em gargalhada. O amor mudou a nossa cor, deixou a gente mais verde. Ainda que ... (+)
Leia mais
© Carol Costa/Minhas Plantas

Milho, batata e até alga podem virar plástico!

Nem todo mundo tem uma ecobag à mão quando vai às compras, mas, depois de passar pelo caixa, tem a sensação de que está fazendo um mal tremendo ao planeta ao ver a quantidade de sacolinhas pláticas necessárias para embalar uma compra do mês. Pensando nisso, algumas empresas resolveram criar ... (+)
Leia mais
mostrar mais