página inicial / blogs / Carol Costa

Do primeiro milhão ao milhinho no quintal

© Edna Fróes/Agapanthus Floricultura
"Emagreça até 9 kg por semana com a dieta do limão!" Já tinha perdido as contas de quantas reportagens sobre regimes malucos passaram pelas minhas mãos quando eu ainda tinha outra vida, a de jornalista. Entediada, olhei pela janela. Fazia uma manhã ensolarada lá fora. As grevíleas balançavam ao vento. As sibipirunas estavam em plena floração. Desci pra tomar um café e encontrei um rapaz debruçado sobre o canteiro de clívias, dividindo as densas touceiras. E, então, fui tomada por aquele sentimento de pássaro engaiolado: "E se eu largasse tudo e fosse curtir a vida do lado de fora do ar condicionado? E se escrevesse sobre algo que eu realmente amasse? E se fizesse alguma coisa com plantas?".

Em busca do primeiro milhão


Isso foi há cinco anos, quando meus vídeos mais tosquinhos sobre orquídeas estavam bombando no YouTube sem eu sequer monetizá-los. As bancas de revistas estavam lotadas de publicações com chamadas do tipo "Vire seu próprio patrão!" ou "Trabalhe de casa, de pijamas, e ganhe mais que seu chefe". Havia um título em especial que me incomodava e volta e meia aparecia nas capas: "Faça seu primeiro milhão antes dos 30 anos". E eu, na época com 34, me sentia velha, acabada, perdendo tempo.

Quando finalmente pedi demissão pra abrir o Minhas Plantas, gastei todo meu FGTS no sonho de virar uma jornalista especializada em plantas. Fiz curso de tudo o que pintada, inclusive das modinhas de gestão, como Design Thinking ou Análise SWOT. Segui a cartilha completa da "empreendedora", palavra que eu detestava, mas que não encontrava outra pra me descrever. Aprendi a mentalizar um "valor" que eu queria retirar por mês, o tal salário "dos sonhos" que eu julgava ser merecedora.

Trabalho com plantas de sol a sol


Trabalhei duro, 15, 16 horas por dia. Trabalhei aos finais de semana. Trabalhei em aniversários familiares, nas noites sem fim, nas madrugadas a dentro. Achei que o dinheiro não entrava porque eu tinha de fazer mais cursos. Porque não estava preparada o bastante. Porque não tinha comprado os livros certos nem feito o Canvas correto do meu produto. Eu nem sabia como fazer dinheiro. Devia abrir uma floricultura? Virar paisagista? Fazer implantação de jardins? Vender terrários? Trabalhar na decoração de casamentos? Não tinha essas respostas, então, eu tentei de tudo. Abri CNPJ de floricultura, fiz curso de jardinagem, depois, de paisagismo, aprendi a montar terrários, participei de feiras, estudei arranjos florais. Em cada um desses Eu trabalhava ainda mais horas, mais domingos, me afastando dia a dia da praça, do parque, do gramado, do "lá fora" que eu tanto desejei.

Um dia, caiu a ficha. O tal do milhão, na verdade, era a cenoura amarrada na frente do cavalo, um estímulo a mais pra roda girar e eu comprar, comprar, comprar. Me fez consumir mais cursos, livros, serviços, coisas de que eu talvez nem precisasse se tivesse me focado no básico: eu amava as plantas, elas me amavam, eu poderia passar a vida toda trabalhando com elas. Talvez não ficasse rica. Talvez não fizesse um milhão nem aos 80 anos, mas o foco da minha nova carreira finalmente poderia voltar a ser aquilo que me atraiu desde o começo, o tesão. A vontade de fazer algo que me desse prazer.

A virada de vida


Percebe a virada? Ela acontece quando você finalmente deixa de se distrair com o barulho do "compre", "faça", emagreça" e encara o silêncio que vem de dentro. Aquele, que só você conhece e do qual tanto foge. É ali que brotam as plantas mais raras, as flores mais belas da nossa existência. E esse canteiro, como é natural na jardinagem, não exige muito para ser cultivado. Bastam silêncio e disposição.
Hoje, gasto menos com tudo. Roupas, sapatos, bolsas. Como mais em casa, o que gerou uma grande economia nos restaurantes e uma inestimável qualidade de vida. Minhas contas vivem entre o vermelho e o azul, mas eu não ligo mais. Tudo bem se eu não ganhar um milhão antes dos 40 — se eu puder plantar milhinhos na varanda, vai ter valido à pena.
postado em 12/09/2017 - Leia mais
© Carol Costa/Minhas Plantas

Como evitar abelhas no bebedouro do passarinho

– Ele me ignora! – Calma, minha filha, também não é assim. – Me sinto rejeitada. Ele nem toca na minha comida… Começou assim minha sessão terapêutica com o seu Daugas Friech. Por telefone, ele me consolava. – Ele é assim mesmo, gosta de coisas espalhafatosas. – Mais kitsch que o bebedouro que eu comprei ... (+)
Leia mais
© Carol Costa/Minhas Plantas

Tomate-cereja pega mais fácil que mato

Se você tem um cantinho ensolarado em casa, que tal cultivar tomates? A variedade cereja cresce rápido e é uma ótima opção para quem está dando os primeiros passos no ramo das hortas caseiras. Escolha sua bandejinha preferida no supermercado e, na hora de preparar a salada, tire as sementes ... (+)
Leia mais
© Divulgação

Por que é difícil ver vagalume nas capitais?

Procurar cigarra em tronco de árvore, colecionar casulo vazio de borboleta, fazer lanterna de vaga-lumes... só mesmo quem foi criado em pequenas cidades do interior é que ainda sabe o que são esses passatempos. Com a poluição, o uso indiscriminado de agrotóxicos e a cobertura vegetal cada vez mais escassa ... (+)
Leia mais
© Carol Costa/Minhas Plantas

O incrível jardim que brota do cimento

Tiradentes é uma das duas únicas cidades lentas do Brasil – a outra fica no Sul. Aqui, uma slow city, pratica-se o slow food e o slow service. Aliás, tudo é slow: o sol aparece, mas demoooora, a comida chega, mas cuuuusta, e o dedinho de prosa, então, vixemaria, não acaba ... (+)
Leia mais
© Alexandre Pavan/Minhas Plantas

Como a natureza lida com nossos rastros

Apocalipse. Fim dos tempos. Revolta da natureza. Tenho ouvido muito as pessoas comentarem sobre a maneira violenta como o planeta revida às agressões que vem sofrendo há milhões de anos. Os culpados somos nós: do rapaz que joga latinha pela janela do carro à criança que escova os dentes com ... (+)
Leia mais
© Carol Costa/Minhas Plantas

Lagarto, o melhor inseticida para sítios

– Com tanto espaço, por que eles têm que se esconder aqui? Essa é a pergunta que dona Fátima fazia todas as manhãs, assim que acabava de lavar a varanda de sua chácara. Balde e vassoura em punho, ela olhava desanimada para o chão, onde a água fazia uma poça perto ... (+)
Leia mais
© Juliana Valentini/De Verde Casa

Por que você deveria rezar para choverem sapos

Eu não desejo que nenhuma praga bíblica irrompa dos céus nem que comecem a chover gafanhotos, mas se aparecessem mais sapos nas nossas hortas a gente poderia aposentar os inseticidas. Os animais de respiração cutânea costumam ser bem sensíveis à poluição e aos agrotóxicos – você também seria se respirasse pela ... (+)
Leia mais
© Carol Costa/Minhas Plantas

Você registra quando suas orquídeas dão flor?

– Não gostei desse mel novo. – Por que? – É muito líquido. – Mudaram o estado físico do mel e não me avisaram? – Rá-rá, que marido engraçadinho eu tenho. Não sabe que eu gosto de mel empedrado? – Abre uma planilha no Google Docs. Bota lá: “Mel”. Aí, você pode etiquetar os vidros que ... (+)
Leia mais
© Carol Costa/Minhas Plantas

Gangue de formigas assassinas ataca jardineira

Enfim saiu o resultado do teste de alergia. Estava curiosa para descobrir o que tinha me obrigado a passar uma semana de molho, inchada e coberta por pintinhas vermelhas que coçavam intensamente. Bem, descobri. Apesar de não ter comido nenhum ravioli de formiga ao sugo ou uma torta campestre de ... (+)
Leia mais
© Carol Costa/Minhas Plantas

Como NÃO cultivar tomates num apartamento

Adoro uma roça. Tenho palpitações cada vez que vejo uma horta e, se tiver um galinheiro por perto, é capaz de eu botar um ovo de alegria. Em 2001, quando ganhei meu primeiro naco de varanda, minha fazendeira interna despertou. Plantei morangos, pitanga, amora, jabuticaba, vários tipos de temperos. E ... (+)
Leia mais
© Carol Costa/Minhas Plantas

Seu namoro é ecológico o bastante?

Faz 12 anos do nosso primeiro amo você. De lá para cá, essa frase se tornou quase diária, mas nunca perdeu a capacidade de transformar dias chuvosos em sol na praia, tensão em aconchego, choro em gargalhada. O amor mudou a nossa cor, deixou a gente mais verde. Ainda que ... (+)
Leia mais
© Carol Costa/Minhas Plantas

Milho, batata e até alga podem virar plástico!

Nem todo mundo tem uma ecobag à mão quando vai às compras, mas, depois de passar pelo caixa, tem a sensação de que está fazendo um mal tremendo ao planeta ao ver a quantidade de sacolinhas pláticas necessárias para embalar uma compra do mês. Pensando nisso, algumas empresas resolveram criar ... (+)
Leia mais
mostrar mais